• TioDuBR

The Takeover: A Nostalgia e o Novo - [Review para Nintendo Switch]


O TakeOver é um beat'em up lateral inspirado no gênero que define os jogos clássicos dos anos 90.Batalhe sozinho ou com um amigo no modo cooperativo local enquanto ouve músicas impressionantes de Little V Mills, Richie Branson, James Ronald e a lenda da indústria Yuzo Koshiro!


Essa geração não é a mais satisfatória para fans do gênero Beat’em Up, que era muito popular nas gerações passadas, onde jogos como Final Fight, Captain Commando e Street of Rage reinavam tanto nos árcades quanto nos consoles; Mas alguns jogos que foram lançados restauram a nostalgia daquela época e The Takeover é definitivamente um desses jogos.



A história do jogo é bem básica e começa quando a filha de 2 membros do grupo é raptada e é preciso sair ao seu resgate através dos bairros mais sujos e perigosos da cidade. Participam dessa jornada Ethan Rivers ( o personagem mais balanceado entre força e agilidade), sua namorada Megan ( rápida e ótima para realizar combos porém mais fraca) e seu amigo Connor ( mais lento porém com muita força). Cada personagem tem sua sequencia de combos, animações e movimentos que vai te fazer querer jogar com todos até que se adapte melhor ao seu estilo de jogo.


Apesar de The Takeover ser um side-scroller 2D , algumas fases mudam essa perspectiva como na fase em que você persegue o inimigo em uma carro sentando bala com uma visão típica dos jogos de corrida tradicionais e um outro claramente inspirado no game Afterburner, onde você pilota um avião de caça.



Os gráficos são bonitos, com belos efeitos de luzes, animações muito bacanas de explosões, chuva, raios que agregam muito valor ao gameplay. Os inimigos não são muito variados, como já se espera de um jogo desse estilo, mas é divertido quebrar a cara deles várias e várias vezes.


O grande diferencial do jogo para outros do mesmo estilo é você poder usar armas de fogo, isso faz muita diferença no gameplay.Cada personagem usa uma arma diferente: Megan usa uma magnum 357, Connor uma shotgun e Ethan uma Colt .45. A munição para as armas você pega durante as fases, mas elas são escassas e não vão deixar você sair atirando em todo mundo como um louco, é preciso dozar seu uso para os momentos cruciais.



Além das armas, cada um tem seu ataque especial que consome barra de energia, além do ataque RAGE, que você libera conforme vai dando dano aos inimigos e ao liberar seus ataques dão mais danos e você não leva golpes. Existem as tradicionais armas que você encontra no chão, como por exemplo as katanas, mas elas não causam muito dano.


O jogo tem uma mistura de visuais: nas cutscenes você tem uma estilo mais como o de quadrinhos, mas no gameplay o visual é totalmente diferente, cheio de animações excelente como citado acima. O jogo é 2d, mas os modelos dos personagens são em 3D e isso causa uma impressão muito boa e dá aquele toque de qualidade ao game.


A trilha sonora do jogo é muito boa, uma mistura de música eletrônica e metal, que ajudam a dar ainda mais um toque de adrenalina no combate. Na contramão, os efeitos durante o combate, como o de quebrar as coisas ou quando se elimina um inimigo são de qualidade inferior á trilha sonora, mas não atrapalham. As cutscenes tem voice acting, mas não espere nada digno de Oscar, são bem clichês na verdade, e o jogo não está legendado nem dublado em português infelizmente.



Veredito

The Takeover é um grande jogo dentro do estilo que acrescenta uma variação bem vinda como o uso de armas e o uso dos carros e do avião nas fases. Não é o jogo tecnicamente perfeito, o mais difícil ou o mais desafiador, mas é um jogo que vai trazer nostalgia pros mais antigos e agradar os mais novo, além de talvez, quem sabe, conquistar novos fãs para o gênero Beat’em Up.
Nota: 8/10

The Takeover é um game desenvolvido pelo estúdio Pelikan13 e publicado pela Dangen Entertainment em junho desse ano e está disponível para todas as plataformas.



  • Página do Facebook
  • Twitter - The Games
  • Canal The Games - Nintendo
  • Instagram

    Gostou da leitura? Doe agora e me ajude a proporcionar notícias e análises aos meus leitores  

© Criado por Andrey Daher Coelho.