• Deives Nepomuceno

[Review] Raji: An Ancient Epic para Nintendo Switch

Olá pessoal, venho trazer mais uma review de um jogo com envolvimentos de divindades e seres mitológicos. Estamos falando do jogo Raji: An Ancient Epic a qual se baseia na mitologia hindu e balinesa, cujo objetivo principal é resgatar o irmão mais novo dela.

Logo de início temos uma trama animada por sombras e marionetes explicando bem a história com animações e transições bem interessantes num jogo indie, e entramos no jogo num cenário de encher os olhos de tão belo que é (nem parece jogo indie) e logo temos a inserção mitológica do jogo, quando a protagonista adquiri a Trishul (o tridente da divindade dunga) e a partir dai começa a sua jornada explorando vários cenários lindos, lugares históricos na mitologia e tem auxilio de armas divinas utilizadas pelas divindades.

De longe se pensa que o jogo bebeu da mesma fonte que God of War, porém em Raji preserva a mitologia hindu à risca ao contrario da grega, a qual destrona Zeus e assume seu posto.

O que é interessante é que o desenvolvimento do jogo se preocupou com a preservação da mitologia hindu, aonde tudo o que for mencionado são reais (me certifiquei disso). Para ficar mais fácil, vou citar os fatos principais para ilustrar bem a vocês.

Na mitologia hindu, como em quase todas, temos uma divindade criadora de tudo, lá o nome da divindade é brahma e ele junto com mais duas divindades (vishnu, a conservadora, e shiva, a destruidora) formam a trimurti, essas são as divindades que regem o universo. Temos também os antideuses conhecidos como asuras que são inimigos há muitas eras.


No jogo de Raji é uma revanche da batalha que teve entre o mahishasura (um asura com forma de búfalo devido acasalamento do seu pai com um búfalo), a qual perdeu contra a deusa durga (uma deusa de 10 braços, aonde cada braço tem uma arma sendo o tridente a mais forte). A gravura da imagem mostra esse trecho contado pela Vishnu.

E agora, a Raji é a esperança a qual as divindades hindus depositam nela para deter novamente os planos dos asuras e salvar a humanidade dos demônios.


O mais legal são as próprias divindades se dialogando entre si durante o jogo, falando do desenvolvimento da Raji, suas histórias e alguns destinos a qual traz imersão ao jogador ao enredo e agregando raizes hindus e balinesas que são bem raras nos dias atuais.

Você tem a visão da Raji de cima, a qual acredito que é a mesma visão que as divindades tem dela dialogam no jogo e existem inúmeras referencias de lugares, símbolos e de árvores. Algumas vezes o jogo te convida para resolver pequenos enigmas com as arvores sagradas como também algumas mandalas que fazem conexão com a Raji e sua história.

Há um menu de upgrades que pode parecer confuso, mas se resume em: Armas divinas, bençãos divinas e habilidades secundarias valiosas para cada arma. A dinâmica da luta é fluida e desafiadora, vai ser normal você ter problemas em alguns trechos, seja persistente neles.


O jogo tem muitos mais termos hindus e que ao jogar ele vai explicando e o que acho muito vital nesse jogo é que além de preservar o máximo a mitologia é que eles mostraram que num jogo de aventura de plataforma e ação há espaço para protagonistas femininas inclusive no universo indiano.

Curiosidade: Sabia que o nome Raji, podem ter dois tipos de tradução? Pelo nome Raj que significa aquele que governa (principe/rei) ou como Raja que significa esperança. Será a Raji uma junção dessas duas palavras sendo a princesa da esperança na trama do jogo?


Abaixo algumas imagens da gameplay com legendas em português para apreciação:

Raji esta disponível para Nintendo Switch, Steam, Xbox One e Playstation 4 recomendo o jogo, pois são raras vezes que menciona sobre a mitologia hindu com tanta veracidade e cuidado, esse é um universo que pode ser muito explorado nos games.


Tenham uma ótima jogatina

Deives F. Nepomuceno

  • Página do Facebook
  • Twitter - The Games
  • Canal The Games - Nintendo
  • Instagram

    Gostou da leitura? Doe agora e me ajude a proporcionar notícias e análises aos meus leitores  

© Criado por Andrey Daher Coelho.