• Andrey Daher Coelho

[ESPECIAL] Conheça o FidelityFX Super Resolution, recurso que garante melhor desempenho ao Switch

O FidelityFX Super Resolution é a solução da AMD para aliar muitos quadros em altas resoluções sem perder qualidade gráfica e dar mais longevidade às suas placas de vídeo.



Mas o que isso quer dizer? Ná prática nós estamos falando de jogos que vão rodar com uma maior resolução, maior taxa de quadros e usando a potência do aparelho como se ele estivesse rodando o jogo com uma frequencia menor, ou seja, como se rodasse com poucos quadros por segundo e com uma resolução baixa. (É o que eu chamo de bruxaria).



A AMD lançou o FidelityFX Super Resolution, em junho, para um grupo seleto de jogos e felizmente, esse grupo hoje já foi expandindo em larga escala; entretanto, devido a essa recepção morna (quase ninguém fala sobre isso), restam muitas dúvidas do grande público a respeito do que é essa tecnologia e como ela pode te ajudar a aumentar a performance com altas taxas de quadros no PC e consoles, além de contribuir para aumentar a longevidade da placa de vídeo.



Mas para começar, vamos primeiro nos perguntar o que é o FidelityFX Super Resolution?


Também conhecido como FSR, essa tecnologia foi desenvolvida pela AMD para solucionar problemas de desempenho em games ocasionados, principalmente, quando o Ray Tracing é ativado. O Ray Tracing é uma técnica de iluminação que ganhou popularidade nos cinemas, com animações ou CGs em blockbusters.



O recurso utiliza inteligência artificial e estruturas físicas presentes em placas de vídeos para “imitar” efeitos de iluminação volumétrica, sombras e partículas em um alto nível de fidelidade e realismo.

Para contornar as quedas de desempenho e competir com a NVIDIA, a companhia lançou então o FidelityFX Super Resolution no final de junho de 2021.



O FSR funciona da seguinte maneira: pense em um game rodando em 4K (3840 x 2160 pixels) nativamente, apenas com o esforço de uma GPU (placa de vídeo). Agora, ativando o FSR iremos reduzir esse 4K em 4x, ou seja, tornar o 4K em Full HD (1920 x 1080 pixels). Depois desse processo a imagem será “esticada” novamente para o 4K, dando origem ao que vemos na tela. Aqui o grande problema é que quando simplesmente esticamos uma imagem pequena para uma resolução maior, surge uma gigantesca queda definição e qualidade.



Para exemplificar melhor, pense que você adquiriu uma TV 4K de 50-55 polegadas recentemente e conectou o seu notebook a ela através de um cabo HDMI. Depois disso, espelhou a tela, conseguiu usar o laptop na TV e botou um vídeo do YouTube em tela cheia. Nas configurações de imagem do vídeo, você selecionou a resolução 720p e quando deu play, a imagem ficou ruim, com vários “quadrados” aparecendo na tela, sem definição, etc. É exatamente esse o problema que o FidelityFX Super Resolution pretende corrigir. Esticar uma imagem pequena para um espaço muito maior acaba com a qualidade daquela imagem original.



O segredo do FSR está justamente aqui, pois no momento em que a imagem for esticada, uma série de algoritmos irá preencher os pontos que faltam com a tecnologia existente nesse recurso, “reconstruindo” aquela imagem e deixando em alta definição. Após isso, uma série de filtros complexos serão aplicados na imagem, corrigindo a paleta de cores, contraste, etc.



Com isso, o FSR estará quase que realizando um truque de mágica no console/computador, pois você pode estar jogando o game nativamente em 4K, mas virtualmente a imagem é reduzida ao Full HD, esticada para o 4K e a placa de vídeo terá menos trabalho para formular a imagem final e fazer os quadros. No fim, nosso game irá rodar com mais fps na tela, com uma diferença de imagem imperceptível.



Ná prática, nós vemos jogos que para muitos eram considerados "impossíveis" de rodarem no Nintendo Switch e que de alguma maneira tem chegado com uma qualidade acima do esperado, como o mais recente caso de No Man's Sky.


Alguns games que estão usando a técnologia FSR no Nintendo Switch:


  • Nintendo Switch Sports (O primeiro jogo a descobrirem o uso do FSR pelos dataminers).

  • No Man's Sky

  • Crysis Trilogy (Jogos que usam a cryengine em geral)

  • ARK (com a nova atualização gráfica e de desemepenho que chega em novembro).

  • Snow Runner (Tendo a opção de ativar e desativar o Fidelity FX nas opções do jogo).

  • Roller Champions (Tendo a opção de ativar e desativar o Fidelity FX nas opções e alterar até mesmo a resolução/fps do jogo).

  • Raji Enhanced Edition (Update gráfico mágnífico que o jogo recebeu gratuitamente).

  • Lego Builder's Journey

  • Hot Wheels Unleashed

  • Hellblade: Senua's Sacrifice

  • Ghostrunner

  • Dying Light

  • World War Z

  • Wreckfest

  • Mario+Rabbids Sparks of Hope

  • Overwatch 2

  • Inmortal Fenix Rising

  • Tony Hawks Pro Skater 1-2

  • Zombi Army 4

  • Serious Sam

  • Nier Automata

  • Life is Strange


A lista é enorme e muitos jogos não conseguimos ainda saber se realmente usam ou não a função, pois precisaria de uma averiguação grande por parte de dataminers.



Mas isso não para por aqui, uma vez que a versão 2.0 do FSR já foi lançada e também terá suporte para consoles, então isso facilita ainda mais o trabalho das empresas ao pensar em levar seus jogos para o console da Nintendo, uma vez que o aparelho está recebendo essa técnologia. Tudo indíca que o novo game da franquia Zelda também poderá tirar proveito disso, talvez isso explique o adiamente para ano que vem, seria um tempo ideal para implementar a técnologia pro jogo sair bem polido, assim como Final Fantasy 7 Crisis Core Remake.



A AMD dispoponibilizou o programa de forma aberta, assim, desenvolvedores também podem usar o código nas engine Unity e na Unreal Engine, o que abre um leque cada vez maior de possibilidades, uma vez que a maioria dos jogos atuais são feitos nesses motores gráficos. Podemos esperar que jogos como Gollum e até mesmo novo jogo no universo de Harry Potter que vão chegar ano que vem, estejam usando essa técnologia para poder rodar no console da Nintendo de forma justa e sem conteúdos cortados.



Tudo isso é muito importante para a longevidade do Nintendo Switch, uma vez que o console continua sendo um sucesso incrível, mesmo quase 6 anos após o seu lançamento. O aparelho continua no topo de vendas no mundo todo, a frente da concorrência, e para Nintendo é muito importante manter a biblioteca viva do aparelho, com diversos jogos já anunciados para sairem até a metade do ano que vem, o console tem uma das maiores bibliotecas da história dos games nesse momento e a tendência é que isso aumente cada vez mais agora com o auxílio de ferramentas incríveis que os engenheiros da AMD, Nvidia e da Nintendo estão colocando em prática no Switch. Mas e vocês? Já sabiam sobre o FSR (Fidelity FX Super Resolution)? Não deixem de comentar e compartilhar a matéria com amigos e grupos de whatsapp !